quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Política = Tabu?

Por indicação, eu assisti o vídeo do Felipe Neto sobre "Política". Um consolo, ver um jovem com consciência, nesta Terra em Transe do Glauber.
Aqui eu noticiei a iniciativa na Austrália do Partido do Sexo e de como seria bom ter algo assim no Brasil.
Eu também falei da interessante obra de Riane Eisler sobre o Prazer Sagrado e de como isso tem tudo a ver com política e a nossa indigência cultural.
Por blogs amigos, cheguei ao blog que propõe a fundação de um Partido da Esquera Erótica Mexicana:
El Partido de la Izquierda Erótica, nacido con la energía de un abrazo apretado y redondo, se propone, en primer lugar, fomentar que las mujeres nos reencontremos con nosotras mismas y reconozcamos el voltaje de la corriente de posibilidad que llevamos en las venas.
Las primeras acciones y reuniones del PIE, por consiguiente, estarán orientadas a que entre nosotras nos pongamos en autos de quienes somos, de dónde venimos y con qué experiencias y fuerzas contamos.
Se propone que sean sesiones de elogios mutuos, de aplausos y jolgorio. Como es sabido, la primera obligación de la militancia del PIE es la de ser optimista, positiva y dispuesta a la felicidad.
Las instamos a reunirse, conocerse a fondo,a relatar sus circunstancias particulares y las dificultades que experimentan como mujeres en su propia vida.
[Fonte: Partido de la Izquierda Erótica Mexicana]
Eu me pergunto o que Eros diria disso. Eu me pergunto o que Afrodite diria disso. Como bom pagão e bruxo, eu prefiro a Anarquia.
Falar de sexo, de preferências sexuais, deixou de ser tabu. Pelo menos no espetáculo midiático. Na vida cotidiana e rotineira, os tabus e proibições sociais estão bem vivos, ainda que na teoria eu ouço minhas amigas concordarem com minhas opiniões sobre amor e relacionamento.
Mas nossa espécie parece depender dos tabus para poder viver de forma funcional. Haja visto o domínio do Politicamente Correto e o imerecido prestígio dado aos discursos em torno do "direito animal". Quem tem que ser preservado é a humanidade. O ambiente vai continuar a existir depois que nós mesmos nos extinguirmos.
Falar que a Bruxaria usa animais é proibido e tabu...entre pagãos e bruxos! Falar de política e que ser pagão é ter uma postura política também parece ser um tabu, algo proibido de se declarar. A postura de um pagão diante da questão ambiental e dos animais é uma postura poítica, por mais que se tente disfarçar.

Há algum tempo eu desisti de tentar avisar aos pagãos, bruxos e wiccanos sobre o surgimento e o crescimento de um verdadeiro culto à personalidade no nosso meio. Eis que as mesmas figuras, cheias de megalomania, cheias de autoridade auto-proclamada, anunciam uma Igreja...para bruxos e wiccanos! Eu sei que falar disso também é tabu, é proibido e eu fui excomungado exatamente por contestar os falsos profetas.
Depois de tanto tempo, ainda somos tremendamente inseguros. Depois de tantas conquistas, ainda procuramos segurança em falsos líderes e a salvação em falsos messias. Depois de tantas descobertas, ainda vivemos vidas vividas entre saldões e liquidações, porque nos tornamos descartáveis como as mercadorias que compramos, nos tornamos artificiais como as personalidades que cultuamos.
Meu consolo é saber que isso é apenas aparente. De tempos em tempos, eu me surpreendo em ouvir das pessoas o mesmo inconformismo que tem me mantido no rumo certo. De tempos em tempos, eu ouço mulheres falando em assumir o controle de suas vidas ao descartarem a misoginia patriarcal vigente. De tempos em tempos eu vejo pessoas resgatando o sentido do sagrado e divino no amor, no sexo, no prazer, no desejo e nos relacionamentos. De tempos em tempos eu vejo o desgaste do sistema vigente, se auto-decompondo, se auto-necrosando, de tanto que o público está saturado.
Eu não sei se vai melhorar, eu não sei se algo vai mudar mas, para alegria de uns e desespero de outros, aqui, o tabu está morto.

3 comentários:

Nion disse...

Acho um absurdo esta postura de “indiferença política” de pagãos e wiccanianos. É uma extensão da famosa “política, religião e futebol [o que futebol faz no meio disso?]” não se discutem. É claro que se discute, eles não devem se impor, não devemos nos apegar a intolerância mas há certas coisas como política que devem ser ditas, devem ser faladas sim. Muito me admira nós, pagãos, não querermos saber e participar ativamente do destino de nossa terra (nação). Vamos acordar da alienação, por favor?

Beto disse...

empaquei...devo me sentir elogiado ou insultado? }|D

Nion disse...

Elogiadíssimo^^