quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Feliz Dia do Ekenko

No dia 24 de Janeiro as cores e cheiros bolivianos tomam conta da Praça Kantuta - este ano a festa promovida pela Associação Gastrônomica Cultural Folclórica Boliviana Padre Bento, será realizada nas instalações do Clube de Regatas Tietê, na Av. Santos Dumont, 843 Bairro: Ponte Pequena (Próximo ao metrô Armênia). A festividade também será realizada na Rua Coimbra, pontos de concetração da comunidade boliviana em São Paulo. Veja a programação.
A comemoração é especial: uma homenagem ao dia do Ekeko, o Deus da abundância. Reunidos, bolivianos, peruanos, equatorianos, argentinos e claro os paulistanos. Nas barracas, pequenos artesanatos chamados Alasitas simbolizam os sonhos que os fiéis querem ver realizados no ano que está começando. Há malas, ônibus e carros que representam o desejo de viajar ou voltar à terra natal; saquinhos de arroz e mesas de jantar que remetem à fartura dentro de casa; galinhas que prometem dar um jeito na vida amorosa; maços de dólares, euros, e outras moedas para trazer abonança. Depois de comprada a Alasita, é preciso levá-la para o Yatiri, um homem vestido roupas coloridas (poncho de aguayo) gorro de lã de Vicunha (chullo) vai abençoá-la. Só ele pode fazer isso: rega o objeto com álcool, vinho, passa pela fumaça da fogueira, (saumerio) enquanto pede, em aymara (idioma indígena da Bolívia), para o Ekeko realizar o desejo do fiel. Ao final, resta apreciar as apresentações de danças típicas, comer uma empanada, ou salteña, comprar um chá de coca ou uma colorida malha típica e ir para casa, com a enorme esperança de que a vida ainda vai melhorar.
O Ekeko, é um deus da abundância, fertilidade e alegria de origem aymara ou colla, que ainda recebe verdadeiro culto no altiplano andino, sobretudo no solsticio de verão, quando se celebra a feira da Alasita.
É um ídolo que se crê provê de abundância ao lar onde se lhe tributava oferendas de álcool e cigarros.
Toma a forma de uma pessoa sonridente, ligeiramente obesa, vestida com roupas típicas do altiplano e carregando grande quantidade de bultos de alimentos e outros objetos de primeira necessidade que penduram de suas roupas.
Actualmente a estatueta que o representa tem um orifício apropriado em sua boca para poder lhe introduzir cigarros acendidos, que a estátua ``fumaria``.
Originalmente o nome proviria do quechua iqaqu (quechua: ekjakjo ).
História
O Ekeko é uma divinidade venerada desde séculos antes da conquista do território pelos espanhóis. Seus seguidores achavam que afugentava a desgraça dos lares e atraía a fortuna.
Pensa-se que se originou entre os habitantes da cultura Tiwanaku. Depois da conquista pelos aymaras e depois pelos Incas, adotaram a divinidade, e converteram-na em símbolo da fertilidade e a boa sorte.
Em 1612 , o jesuita Ludovico Bertonio, publicou o "Vocabulario da Língua Aymara" onde menciona a esta dividade andina.
Ecaco, I. Thunnupa. Nome de um de quem os índios antigos contam muitas fábulas e muitos ainda nestes tempos as têm por verdadeiras.
O arqueólogo paceño Carlos Ponce Sanginés opinava que as antiguísimas figuras antropomorfas (com importuna prominente e adendo fálico) seriam da época do Império inca, e antecessoras do equeco da época da colônia.
Manuel Rigoberto Paredes escreveu que estas miniaturas de estatuetas fálicas seriam remanentes de remotas festas sagradas do solsticio de verão.
No ínicio, o Ekeko era de pedra, importunado, tinha rasgos indígenas e não levava nenhum tipo de vestimenta: sua nudez era o símbolo da fertilidade.
Na colónia o culto à divindade tomou nova força em La Paz (atual sede de governo da Bolívia ) durante o cerco que esta cidade suportou durante o levantamento indígena de Túpac Katari contra o controle espanhol.
A Igreja Católica tentou erradicar seu culto em tempos da colônia, sem maior sucesso, ainda que a imagem chegou a sofrer certas mudanças: foi vestida e seus rasgos alteraram para os de um mestiço.
Hoje em dia, existe na serra sul do Peru como no ocidente de Bolívia a crença de que o Ekeko é capaz de conceder os desejos de seus seguidores se estes lhe oferecem uma cópia dele em miniatura, e muitos têm em casa uma imagem para que lhes resolva os problemas, deixando dinheiro a seu lado e mantendo um cigarro acendido em sua boca, que se se consome até a metade é sinal de mau agouro . As figuras que lhe oferecem são de cerâmica, metal ou pedra e reproduções exatas o objeto de suas petições: automóveis, electrodomésticos e alimentos. Quando se deseja amor, se lhe entregam miniaturas de galos e galinhas. A divindade é conhecida nos diferentes lugares do mundo onde colónias de emigrantes bolivianos têm estendido seu culto.
A figura do Ekeko tomou grande popularidade na província de Buenos Aires (Argentina) durante o período hiperinflacionário dos anos 80. Ali seus adeptos tomam-no como uma espécie de "patrão da fortuna".
Fonte: Bolivia Cultural

Nenhum comentário: