sexta-feira, 16 de maio de 2008

As origens pré-biblicas de Yahveh

Yahveh era o Bezerro Dourado.
O pedido dos Israelitas para Aarão fabricar o Bezerro Dourado é uma pista do autor/narrador que preconizam os dois Bezerros Dourados erigidos em Dã e Betel pelo Rei Jeroboão. O narrador informa sua audiência que adorar os Bezerros Dourados é errado porque eles são Deuses egípcios.
O problema? Um fragmento de cerâmica foi encontrada na Samaria da Idade do Ferro com a inscrição "egeliah", "touro-bezerro Yah". Isso sugere para alguns acadêmicos que Jeroboão não adorou o Bezerro Dourado como um Deus egípcio, ele acreditava que o Bezerro era o próprio "Yahveh" ou "Yah"! Isto é confirmado em um discurso de Aarão após fazer o Bezerro Dourado. Ele declara que no dia seguinte seria o dia de celebração a Yahveh (traduzido nas bíblias como "o Senhor"). Então, Aarão está aparentemente identificado o Bezerro Dourado com Yahveh.
Yahveh é também chamado de El na bíblia, usulamente traduzido como "Deus". O interessante é que Deus no Sinai está ligado em linguagem metafórica a um "boi selvagem de chifres longos" protegendo seu povo.
Os arqueologistas determinaram que mineiros egípcios do sul do Sinai também tinham operários asiáticos. Estes asiáticos deixaram inscrições pedindo a "El" para protegê-los. El é escrito em sinais arcaicos Proto-Sinaicos como eleph + lamd, como dois simbolos pictóricos, a cabeça de um boi selvagem de chifres longos e um boi-bode na forma de um cajado de pastor.
Então, aqui no sul do Sinai, nos séculos 17 e 15 AC, nós temos El, sendo retradado em seu "verdadeiro nome" como um boi selvagem de chifres longos, protegendo os mineiros asiáticos.
Inscrições Proto-Sinaicas encontradas em uma esfinge dedicada para a Deusa-vaca egípcia Hator, revelam que estes asiáticos não tinham problema em assimilar ou associar seus Deuses com os Deuses egípcios. Nos hieroglifos, a esfinge é dedicada a Hator, enquanto que a inscrição Proto-Sinaica a dedica a Baalat, significado "Senhora", um título dado a Hator em Biblos, que foi parceira comercial do Egito desde os tempos dos Reinos Antigos e que tinha um templo a Hator.
Eu concluo então pela base das evidências arqueológicas que Aarão declarando o "dia de celebração do Bezerro Dourado" ser um dia para honrar Yahveh é recordar as associações asiáticas de seus Deuses com os Deuses egípcios.
Nenhuma inscrição foi encontrada no Sinai ou Arábia na Idade do Bronze mencionando Yahveh.
Então, El, que guiou Israel para fora do Egito como "um boi selvagem de chifres longos" é arqueológicamente atestado nas inscrições Proto-Sinaicas do século 17-15 AC. Pelo nível que o Sol era o Deus supremo dos egípcios e podia assumir formas bovinas de um Bezerro Dourado tanto quanto o do poderoso Touro Dourado de Horus, não é supreendente que os asiáticos poderiam identificar seu Deus bovino supremo, El, com o Deus sol bovino dos egípcios, o "Bezerro Dourado"!
Então, parece que a afirmação de Aarão, associando o dia da celebração do Bezerro de Ouro com um dia de celebração a Yahveh não foi um "erro", provavelmente é uma lembrança genuína das associações da Idade do Bronze na mente dos mineiros asiáticos.
O Bezerro Dourado era associado com o nascer e o pôr do sol nos mitos egípcios, tal como Yahveh-Eloim ou El era retratado nas narrativas do Êxodo. Ali conta que Yahveh "alvorece e brilha" do monte Sinai, Paran e Seir, locações associadas com o sul do Sinai e Arábia, onde estão os santuários de Hator em Serabit el Kadim e Har Timna. Eu argumentaria que os mineiros asiáticos teriam assimilado ao seu Deus, El, a mesma imagem solar egípcia do Bezerro de Ouro como sendo o sol alvorecendo no leste.
Mais tarde, Yahveh é metaforicamente descrito pelo profeta Malaquias como um "sol de justiça com cura em suas asas". Para os egípcios, o sol era representado com asas de falcão como "Horus de Bedhety," que destrói os inimigos seus e do Egito. Horus como o sol também decide quem é qualificado (apenas os justos podem acompanhá-lo) para guiar a barca do sol através do firmamento a cada dia.
No mito egípcio do sol alado, Horus de Bedhety, esmaga todos seus adversário. O faraó, que se liga a Horus, é chamado pelos seus príncipes vassalos cananeus como "meu Deus, meu Sol". Estes príncipes se ligavam como sendo o pó debaixo dos pés do faraó. Tal imagem parece ser aplicável a Yahveh como Malachi, o sol ascencionado (o Bezerro Dourado, Horus de Bedhety), derrotando os inimigos de Deus e eles são cinzas ou poeira sob os pés de Yahveh.
Nos mitos egípcios o sol em suas manifestações é o campeão dos justos e opressor do mal e dos injustos. Os justos de Malachi que são ligados a bezerros saltitantes lembram o bezerro saltitante, Ihy, filho de Hator, símbolo do justo faraó Amenhotep III, que deseja ser imortal como o sol que ascende do leste.
Pelo meu entendimento, as que crenças e ritos solares egípcios da Idade do Bronze e da Idade do Ferro foram preservados nas narrativas do Êxodo. Yahveh como o Bezerro Dourado lembra as noções egípcias do sol todo-poderoso e conquistador, vencendo seus inimigos na forma do faraó e de Horus de Bedhety.
Um Moisés irado é retratado golpeando o Bezerro Dourado em pedaços e espalhando na água, forçando os israelitas a beber! Eu suspeito que este tema vem das formas egípcias de adoração quanto ao Bezerro de Ouro como Deus-sol que está "dentro" do corpo líquido da Deusa-vaca celesial, chamada de Hator, Nut ou Meht-urt. Hator era chamada "a água pura", e ritos da água eram celebrados por Nut no nascimento do sol, o bezerro dela.
Alguns acadêmicos notaram que feitos e epítetos associados aos Deuses cananeus El e Baal Hadad parecem ter sido assimilados para Yahveh-Eloim. Yahveh, através do tempo, assimilou outros Deuses, os poderes desses Deuses tornaram-se os dele. Ele não é apenas um Deus da tempestade como Baal, ele é também um Deus sol como Re. Ele é também um Deus lunar como Sin ou Suen de Haran no norte da Mesopotâmia, o lar de Abraão.
Todos estes Deuses em mitos antigos tomaram a forma de bois, eles estão ligados aos bois. El é chamado de Boi El nos mitos ugaríticos do norte da Síria e seus filhos Baal e Anat tem a habilidade de assumir formas bovinas. Baal torna-se um boi que monta sua irmã, Anat, que assume a forma de uma vitela e ela fica grávida, parindo Baal como um bezerro. Nos mitos sírios, nuvens de tempestade eram chamadas de "bezerros de Adad". Quando Baal morre após montar a vitela por 70 vezes, sua irmã procura por ele "como uma vaca por seu bezerro". Por 70 anos as chuvas cessam por causa da morte de Baal, então El tem uma visão, a chuva retorna, ele exclama que Baal vive, a chuva é uma evidência de sua ressurreição dos mortos. Pelo nível que as chuvas estão associadas com nuvens de tempestade, chamadas de bezerros de Adad e o Baal morto reaparecendo como uma nuvem de tempestade com chuva, sugere que para os Sírios e os Arameus, que as nuvens de tempestade eram bezerros. Então a manifestação de Yahveh-Eloim no monte Sinai como uma nuvem de tempestade e pouco depois um Bezerro Dourado é feito, pode lembrar os mitos aramaicos sendo transposto ao Sinai e fundido com mitos egípcios do Bezerro Dourado solar.
Nota: eu retirei do texto original as referências e citações tiradas da bíblia porque a) citações bíblicas sempre são descontextualizadas; b) a bíblia não é uma referência confiável; c) este é um blog pagão e não faz sentido citar algo em que eu não acredito.
Textos tirados da internet supostamente contendo 'pesquisas' históricas ou arqueológicas são suspeitos e devem ser lidos com ceticismo.

Nenhum comentário: