segunda-feira, 6 de julho de 2015

A limpeza cultural

Operários bolivianos retiraram o altar para rituais satânicos e oferendas a entidades andinas da estrada que liga as cidades de La Paz e El Alto, por onde o papa Francisco passará na visita que fará ao país na semana que vem.

A “Curva del Diablo”, que normalmente abriga dezenas de velas e outros elementos usados nos eventos, estava hoje como qualquer outra parte da rodovia. Homens da prefeitura de La Paz e da Administradora Boliviana de Estradas (ABC) limparam o lugar e colocaram algumas pequenas plantas onde antes ficava o altar improvisado.

Membros da “Waka Katari”, um grupo que promove rituais andinos no local, ajudaram nos trabalhos e suspenderam os rituais até o fim da visita do papa à Bolívia, explicou à Agência Efe uma das integrantes, identificada apenas como Adriana. Segundo ela, o lugar é, na realidade, uma “waka”, local considerado sagrado na cultura andina e “não possui energia negativa”, ao contrário do que pensam as pessoas.

Na última segunda-feira, o grupo fez um ritual para pedir permissão para organizar o lugar e os integrantes se organizaram em turnos para garantir que ninguém usará o local nos próximos dias.

“Pedimos que respeitem o lugar por dez dias para que não haja enfrentamentos, porque se a prefeitura ou a ABC fizessem sozinhas o trabalho certamente haveria enfrentamentos e mortes”, indicou.

O papa Francisco visitará a Bolívia entre os dias 8 e 10, como parte de uma viagem pela América do Sul, que também inclui o Equador e o Paraguai. O pontífice chegará a El Alto, situada a 4 mil metros acima do nível do mar, e de lá irá a La Paz, a 3.600 metros de altitude, passando pela estrada em um veículo descoberto.

Há algumas semanas, as autoridades anunciaram limpariam a “Curva del Diablo” por conta da chegada do papa. Porém há três anos, o governo derrubou um altar de cimento que existia no lugar, depois que um corpo foi encontrado nas proximidades e a polícia suspeitou que o caso tivesse relação com os rituais.

No começo deste ano, organizações em defesa dos animais denunciaram que alguns bichos, como coelhos, cachorros e gatos, estavam sendo sacrificados em cerimônias satânicas na “Curva del Diablo”. Muitos dos ritos dos grupos supostamente satânicos aparecem misturados as crenças dos povos indígenas sobre o sacrifício de animais, particularmente lhamas, dedicadas à Mãe Terra para pedir boas colheitas e prosperidade.

A integrante do “Waka Katari” negou que as cerimônias sejam satânicas ou que tenha a participação de animais. Segundo ela, eles promovem apenas ritos ancestrais andinos.

EFE

NB - Mesmo no século XXI, o Cristianismo continua com sua limpeza cultural, demonizando outras crenças e cultos.

4 comentários:

crodi disse...

A essência é sempre a mesma. Religiões intolerantes que não toleram a própria intolerância. É preciso um corpo morto, um ritual suspeito ou até um coelho morto.

roberto quintas disse...

Eu não entendi muito sua colocação, mas vamos lá. Religiões não são intolerantes, visto que não são entidades nem pessoas conscientes. Organizações religiosas são intolerantes por que dependem da manutenção de uma estrutura de poder e inlfuência, baseadas em um dogma. Rituais tem uma função e uma razão, mesmo quando envolvem sacrifício de seres vivos. Não existem rutiais suspeitos, apenas pessoas suspeitas, que distorcem uma espiritualidade, uma crença, uma religião, para atender a objetivos pessoais.

crodi disse...

Roberto, Desculpe por me expressar tão vagamente. Fiquei tão bravo com o que li que fui curto demais....

A religião a que me referi é a católica. Vc está correto, não é a religião, é a igreja católica (esta sim formada por pessoas) que comete intolerância.

Concordo plenamente com o que vc faliou sobre rituais. Me referi a eles de forma sarcástica. Achei um absurdo, a tal empresa ABC retirar ou esconder os altares usados para as oferendas, só porque o papa passaria por ali.

Achei também muito hipócrita da parte do governo derrubar o altar ´dizendo que é por causa da suspeita de uma morte relacionada aos rituais. E sobre a ONG em defesa dos animais, ficou até parecendo piada. Mesmo que fosse verdade, desde quando a vida de um coelho tem mais valor que uma religião, seja lá qual religião for?
Quando o coelho esta na assadeira rodeado de batatas, aí todo mundo agradece a Deus.....

Tá na cara que é pura perseguição, por isso fiquei indignado. São coisas que me tiram do sério. desculpe a confusão.

Um grande abraço

roberto quintas disse...

Eu ainda estou com dificuldades em te entender. Religião é parte da cultura humana, então em todas as religiões tem pessoas. Algumas religiões são dominadas por uma organização religiosa que concentra em si a autoridade e para manter seu poder e influência, acabam sendo intolerantes e fundamentalistas. Ambientalistas e defensores dos direitos animais são estranhos, falam no quanto a vida de um ser vivo é importante, mas usam antibióticos. Para as religiões que possuem rituais com sacrifícios de animais, a vida é importante, do contrário não haveria sacrifício.