domingo, 13 de março de 2011

Entre a discriminação e a liberdade religiosa

Eu li no blog do Wild Hunt sobre o incidente que aconteceu na edição de 2011 do Pantheacon, envolvendo o Coven Caya e um grupo de "mulheres" transgêneros, que foram proibidas de entrarem e participarem do "Ritual de Lilith", a ser conduzido pelas sacerdotisas do Coven Caya.
Isso acontece exatamente porque muita gente vê no Paganismo, na Bruxaria e na Wicca, um território seguro, um abrigo, um refúgio, onde cada um pode se sentir à vontade com suas opiniões, opções, escolhas e tendências. Confusões acontecem na comunidade pagã também por causa disso, por falta de bom senso ou de uma verdadeira obsessão por agendas pessoais e políticas, deixando de lado o aspecto espiritual e sagrado.
Um pequeno intervalo é necessário, para estabelecermos alguns parâmetros:
Gênero (português brasileiro) refere-se às diferenças entre homens e mulheres. Ainda que gênero seja usado como sinônimo de sexo, nas ciências sociais refere-se às diferenças sociais, conhecidas nas ciências biológicas como papel de gênero. Historicamente, o feminismo posicionou os papéis de gênero como construídos socialmente, independente de qualquer base biológica. Pessoas cuja identidade de gênero difere do gênero designado de acordo com o sexo são normalmente identificadas como transexuais ou transgêneros.[wikipedia]
Nas ciências sociais e humanas, papel social de gênero é um conjunto de comportamentos associados com masculinidade e feminilidade, em um grupo ou sistema social. Todas as sociedades conhecidas possuem um sistema sexo/gênero, ainda que os componentes e funcionamento deste sistema varie bastante de sociedade para sociedade.
A maioria dos pesquisadores reconhecem que o comportamento dos indivíduos é uma consequência das regras e valores sociais, e da disposição individual, seja genética, inconsciente, ou consciente. Alguns pesquisadores enfatizam o sistema social e outros enfatizam orientações subjetivas e disposições.
Com o passar do tempo mudanças ocorrem sob regras e valores. Entretanto todos os cientistas sociais reconhecem que culturas e sociedades são dinâmicas e mudam. Há extensos debates em como e o quão rápido estas mudanças ocorrem. Tais debates são especialmente intensos quando envolvem o sistema sexo/gênero, já que as pessoas possuem uma gama de visões diferentes sobre o quanto gênero depende do sexo biológico.[wikipedia]
A identidade sexual (ver Escala de Orientação Sexual de Harry Benjamin) indica a percepção individual sobre o gênero (e.g. masculino e feminino) que uma pessoa percebe para si mesma. Assim como o termo sexo pode assumir várias interpretações costuma-se separar orientação sexual do conceito de identidade sexual. O termo identidade de gênero aproxima-se da identidade sexual mas também mantém diferenças conceituais significativas.[wikipedia]
As "mulheres" transgêneros gritam "preconceito" e dianistas [como Z Budapest] grita "liberdade religiosa". Não há engano, isso aconteceu em uma convenção de Paganismo, não no Congresso Nacional, entre Evangélicos e a comunidade LGBT.
Em suma, há que saber diferenciar a questão de gênero da questão da identidade sexual. Um incidente não pode manchar a postura do Paganismo, da Bruxaria e da Wica diante da questão LGBT.
Deixando de lado a obsessão excessiva, ou o oportunismo de pessoas ou grupos em usar o Paganismo, a Bruxaria e a Wica como plataforma para objetivos de caráter político ou pessoal, tudo se resume a muito barulho por nada.
O ritual era de responsabilidade do Coven Caya. Como anfitriões, cabem aos membros deste coven decidir quem pode entrar ou não. O convite ao ritual é bem claro quando fala "mulher" e as minhas amigas trasngêneros me perdoem, mas por mais que vocês se esforcem ter um corpo de mulher, vocês não serão mulheres. Ser mulher é mais do que ter seios e vagina. Ser mulher é ter útero, é ter menstruação, é ser capaz de gerar filhos, é ter estrogênio naturalmente. Os pagãos e pagãs que sejam transgêneros continuam sendo bem-vindos/as, nós temos diversos grupos, irmandades e covens que estão prontos para receber a todos, basta que cada um procure o que é melhor para si. O que não é cabível é forçar sua entrada em um ritual, grupo ou coven que tem outras prioridades que não seu desejo pessoal de ser aceito/a, reconhecido/a e respeitado/a socialmente. Não tornem um caso isolado um motivo para alimentar os cristãos fundamentalistas, nem para criar uma fissura para dividir a comunidade.

6 comentários:

S. Thot disse...

"O convite ao ritual é bem claro quando fala "mulher" e as minhas amigas trasngêneros me perdoem, mas por mais que vocês se esforcem ter um corpo de mulher, vocês não serão mulheres. Ser mulher é mais do que ter seios e vagina. Ser mulher é ter útero, é ter menstruação, é ser capaz de gerar filhos, é ter estrogênio naturalmente."



Bom dia, Beto.

Seu texto, mais notadamente o trecho acima, me pos em um dilema. Minha mulher não é mulher?

Me perguntei isso porque ela removeu o útero e ovários ainda adolescente. Bem ela tem seios e vagina, mas não menstrua, não pode ter filhos e é incapaz de de gerar estrogênio. E agora?

Como explicar a ela que ela não é mulher e que há grupos wiccanos que a catalogariam como um 3ª gênero porque escolheu viver sem câncer?

Curioso é que tempos atrás, assistindo a um desenho estadudinense (South Park), um dos personagens fez o mesmo comentário que eu sobre sexualidade e questões de gênero e a resposta foi: meu amigo, sua mulher é uma bichona, kkkkkk.

São estranhos os caminhos do conhecimento, não? Ponderemos sobre o assunto. Felicidades!


Sergio

Qelimath disse...

E o problema da modernidade, que pensa que a Tradição deva se adaptar ao povo, e não do contrário.

Inês disse...

Olá! Mesmo que um homem faça a cirurgia para que, fisicamente, tenha genitais femininas, sua energia primordial será masculina. Assim, ele não vai conseguir acessar energias femininas plenamente.

Gostei muito do seu texto e do blog.

Um abraço!

Beto disse...

Eu te respondi primeiro em off, mas é bom publicar aqui:
Sua mulher fez uma cirurgia devido ao câncer depois de adulta. Ou seja, antes disso e desde que nasceu ela é mulher. Ao contrário das transgêneros, seu DNA continua sendo o original, mulher. Isso esclarece?

S. Thot disse...

Ah, grato pela resposta. Era uma dúvida sincera, apesar da resposta parecer óbvia.

E para resolver questões nada melhor que po-las na mesa, não?

Felicidades


Sergio - Guarulhos

Nion disse...

Tanto o homem quanto a mulher possuem algo que é típico de "homem" e típico de "mulher", não podemos associar isso a órgãos físicos, nem a DNA, nem a comportamentos e qualquer outra coisa - é algo mais profundo, mais intrínseco. Talvez seja a alma (que é diferente do espírito, este, assexuado). Então um homem, mesmo que pareça "mulher perfeita" continuará com sua alma de homem. Não vejo necessidade questionar isso.