quarta-feira, 27 de maio de 2009

A rainha de Canaan

Arqueólogos encontraram pistas em Tel Beth-Shemesh sobre uma "Senhora das Leoas", uma mulher que possivelmente reinou em Canaan. A mesma rainha que havia enviado cartas aflitas ao faraó falando da agitação e destruição em seu reino.
"Por volta de 1350 AC, havia agitação na região. Os reis Cananeus deixaram seus medos escritos em cartas em placas de argila pedindo ajuda militar ao faraó do Egito. Entre as correspondências haviam duas que cessaram. Essas cartas vieram da "Senhora das Leoas" em Canaan. Ela escreveu que bandos de pessoas brutas e rebeldes entraram na região e que sua cidade poderia não estar segura. Os arqueologistas sugerem que ela pode ter reinado a cidade de Beth Shemesh".[AFTAU]
"Diga ao rei, meu senhor, meu deus, meu sol: Mensagem da Senhora das Leoas [Belit-nesheti], sua serva. Possa meu rei, meu senhor, saber que a guerra tem vagado pela terra e foi-se a terra do meu rei, meu senhor, pelo submissão ao Apiru".
"Os Apiru [Habiru, Hebreus] mencionados em suas cartas eram um povo seminômade que vivia nas fronteiras de Canaan. No mundo da politica do Oriente Médio, onde o controle imperial egípcioo era mínimo, rivalidades dinásticas e coalizões cambiantes deixavam as cidades vulneráveis. Os Apiru operavam como bandos armados fora da estrutura social, pilhando para seu provento próprio ou disponível para ser contratado. Então, quando um principe rebelde procurava tomar o trono de sua cidade estado ou quando um rei tentava tomar o território de outro rei, eles montavam facilmente um exército de mercenários de Apirus para conquistar seus objetivos. Evidentemente, os Apiru que estavam ameaçando a Senhora das Leoas devem ter sido contratados por dinastas que queriam ter o controle da cidade de Belit-nesheti. Beth Shemesh foi devastada em uma onda de violência pouco depois do ano de 1350 AC".[Zenobia]
O mais curioso não é o silêncio quanto a sua existência nos tempos antigos, mas que tal supressão permaneça em nossa época, visto que não há uma única notícia sobre isso na Imprensa.

Nenhum comentário: