terça-feira, 11 de novembro de 2014

O Coelho como símbolo da Fertilidade e da Embriaguez

História Natural, abril 1997, v106, n3, p24, (2).

Interpretação do símbolo do coelho na iconografia asteca por Patricia Rieff Anawalt.

Resumo: O símbolo do coelho na iconografia asteca representam ideias sobre embriaguez, que tiveram significância tanto social quanto ritual na cultura asteca. Rituais que envolvem a bebida alcoólica, o pulque, foi representado junto com o símbolo do coelho para designar a fertilidade e responsabilidade social em beber.

Texto completo: Copyright 1997 Museu Americano de História Natural.

Pequeno, mas onipresente, o coelho figurou com destaque na iconografia antiga asteca. O Tochtli (Coelho) foi o oitavo de vinte sinais de dias no calendário ritual asteca. Utilizado em combinação com os números de 1 a 13, os sinais do dia renderam um ciclo de 260 dias. A imagem de um coelho simbolizava também a conduta desinibida de embriaguez, algo que os astecas desaprovavam. O Codex Mendoza, um manuscrito pictórico asteca que data de cerca de 1540, mostra três jovens sendo apedrejados até a morte por embriaguez.

A associação entre coelhos e embriaguez pode parecer estranho, mas era, na verdade, não tão remoto. Em tempos pré-hispânicos, a única bebida alcoólica do asteca era o pulque, que eles chamaram de octli. O pulque era fermentado a partir da seiva interior doce do agave e tornou-se mais potente através da adição de uma raiz de um tipo de acácia. Os espanhóis observaram que coelhos (coelhos mexicanos) viviam em algum lugar entre as plantas de agave, em lugares escuros e inacessíveis. Os astecas também deve ter feito esta conexão. Eles ainda consideravam Mayahuel, a Deusa do agave, como a patrona do oitavo dia, o Coelho.

As associações foram ainda mais longe. Ao invés do homem na lua, os astecas viam um coelho (como fazem os chineses). Como o prolífico coelho, deuses lunares estavam ligados com a fertilidade, provavelmente por que a menstruação sugeria um ciclo lunar. Além disso, o branco e viscoso pulque evocava o leite e o fluido seminal. Ligados à Lua e a planta agave, os coelhos incorporaram uma ampla gama de simbolismo de fertilidade.

Por causa de seus poderes positivos e negativos como um promotor da fertilidade e da embriaguez, os astecas cercaram o pulque com ritual e regulação. Frei Bernardino de Sahagun, o maior dos cronistas astecas, disse que entre as primeiras palavras de um novo rei para as pessoas eram advertências sobre os resultados malignos e variados do pulque, a raiz do mal e da perdição. E ainda, como uma fonte de força, o pulque foi dado a mulheres grávidas e lactantes e, ocasionalmente, para guerreiros. Os astecas também bebiam pulque como parte de, pelo menos, doze cerimônias anuais e honravam uma dúzia ou mais de Deuses do pulque conhecidos coletivamente como os Quatrocentos Coelhos. Por exemplo, a cada 260 dias, em 2 de coelho, um grande caldeirão de pedra esculpida em forma de um coelho foi colocada diante de uma imagem de um Deus principal do pulque e cheio até a borda. As pessoas mais velhas e guerreiros eram autorizadas a mergulhar os canudos na bebida espumante e beber o seu conteúdo.

Entre os vizinhos dos astecas foram os Huastecs ao norte, um povo dedicado à bebida forte. Segundo a lenda, um dos primeiros líderes Huastec desgraçou-se na grande celebração em homenagem a descoberta do pulque. Só ele entre a multidão reunida não conseguiu parar de beber das quatro taças da bebida potente. Só ele pediu mais uma rodada, ficou bastante embriagado e, antes de todas as pessoas, jogou fora sua tanga. Posteriormente Huastecs formaram seu próprio comportamento infame por este antepassado lendário - o da quinta taça - resultando em um padrão de conduta bizarra. Frade Sahagun escreveu que não só o Haustecs deformaram suas cabeças, quebravam e mancharam os dentes e pintam o cabelo de amarelo e vermelho, os homens também andavam sem tangas e agiam como se estivessem bêbados.

Na visão desdenhosa dos astecas, os Huastecs estavam completamente ultrajados, se não hipnotizados. Um bom exemplo da ambivalência asteca em relação ao pulque, à embriaguez e todas as questões associadas é a adoção de uma Deusa da fertilidade Huastec em seu próprio panteão elástico. Esta divindade foi nomeada Tlazolteotl, "Divindade Imunda" (referindo-se ao excesso sexual) e tinha nítidas associações lunares. Em um documento pictórico pré-hispânico, a Deusa é mostrada usando um anel de nariz "lunar", um símbolo comumente associado com os Deuses do pulque. Ela também está ao lado de um céu noturno, onde a lua é descrita como uma enorme panela de pulque em forma de anel de nariz, preenchida com um coelho, dando outro exemplo desse complexo de símbolos de fertilidade interligados.

A promoção e manutenção da fertilidade estava no centro do sistema religioso asteca. Em duas das dezoito grandes cerimônias anuais dos astecas, mesmo as crianças mais novas foram alimentadas com a bebida potente. E um pictórico asteca contém uma representação do festival Pillahuana (a embriaguez de crianças), durante a qual meninos e meninas com idade entre nove e dez anos dançam, bêbados de pulque, e realizam atos sexuais.

Por causa da importância ritualística profunda do pulque, talvez seja compreensível que o uso indiscriminado da bebida alcoólica na vida cotidiana foi considerado profano. Somente anciãos que haviam cumprido todas as responsabilidades sociais podiam livremente beber o pulque fora de um contexto ritual.

Após a conquista espanhola, a embriaguez se tornou um problema crescente no México, aumentada com a introdução de bebidas alcoólicas fortes, destiladas. No entanto, ainda se pode encontrar pulque sendo vendido no mercado aborígene no México central, muitas vezes tirado de um balde de lata na traseira de um caminhão ou às vezes tirado de um tambor de madeira velha. É um líquido aquoso, pálido, de aparência leitosa, que não tem cheiro e não tem um gosto bom. Em algumas áreas, é aromatizado com frutas, como abacaxi. Um copo tem aproximadamente a potência de uma cerveja - não tão forte como a bebida asteca antiga, que foi reforçada com a adição da raiz diabólica.

Apesar de suas críticas contra a embriaguez, os astecas eram fatalistas sobre a falibilidade humana e beber. Sua cosmologia até forneceu a justificativa para isso. Os astecas estavam envolvidos em prever o futuro, o dia de nascimento tinha um impacto decisivo sobre a pessoa ao longo da vida. Nenhum aniversário era mais lamentável que o nefando dia 2 Coelho. Qualquer pessoa nascida sob esta influência estava condenada a embriaguez. Alimentação, descanso, aparência pessoal, família, autoestima, saúde, tudo era esquecido com a preocupação constante com o pulque. Quando um homem nascido neste dia era visto gritando, chorando, ou brigando por estar sob o efeito do dia, diziam sobre ele: "Ele é como o coelho dele".

Fonte: soychicano

Nenhum comentário: