terça-feira, 14 de dezembro de 2010

O "espírito do tempo"

Recentemente, na página inicial do oráculo virtual [Google] tinha um link que levava o internauta ao "Google Zeitgest 2010". Explico: o Google disse quais os termos que foram mais procurados no ano de 2010.
Abaixo, segue uma imagem com os resultados no Brasil.

Segundo o Google, o "espírito do tempo" em 2010 no Brasil foi a "musa da copa" Larissa Riquelme. Neste blog, ela e a copa foram comentados e celebrados no tópico "Mulheres e a Copa". Não que eu tenha algo contra a nudez, especialmente a feminina, mas falta o senso de sagrado nas revistas masculinas ditas "adultas". Em algum lugar eu citei a frase de John Stoltenberg: “A pornografia institucionaliza a supremacia masculina assim como a segregação institucionaliza a supremacia branca”. E o assunto do sexo no Paganismo acabou sendo assunto para eu, a Nana e a Yoni, o que será melhor abordado nos próximos tópicos, com a ajuda do Dr Viktor Salis.
Então tem a discussão do lugar e do papel do amor, do desejo, do prazer, dos relacionamentos e do sexo, que eu gosto tanto de comentar com as Musas [a Yoni merece ser promovida a Musa desse blog };)]. A Nana fez um texto sobre o Complexo de Cinderela e eis que a Adilia colocou em seu blog um desenho que mostra bem como o patriarcado se imiscui no feminino.


Cada uma das personagens na imagem representa um papel que a sociedade patriarcal dá à mulher. Não há [ainda] um personagem da Disney que glamourize a pornografia e a prostituição, mas há muitas Larissas Riquelme e Brunas Surfistinhas que conseguem ter suas conquistas por meio da sujeição de sua humanidade ao sexismo, ao machismo dominante.
A constante busca pela perfeição [distorção] do corpo, pela malhação em academias, por cirurgias plásticas, não são mais do que outras formas socialmente aceitas dos sintomas dessa doença.
A mulher não tem noção nem conhece que o feminino é tão sagrado e divino quanto o masculino. Muitas vezes ela aceita o papel ou da Santa ou da Puta, da Esposa ou da Cortesã, tudo para agradar o pequeno "macho alfa", o masculino inseguro, que mantém sua supremacia pela política, pelos tabus sociais, pela religião, pela dominação dos meios de produção e retenção da riqueza. E com isso ela assimila os ideais de sucesso profissional, posição social, de crescimento patrimonial e conquista financeira que está nos conduzindo à extinção, anulando o feminino, anulando seu domínio e poder sobre seus direitos eróticos-afetivos e reprodutivos.
Ainda temos que aprender e muito com os antigos, ainda temos e muito que amadurecer, ainda temos e muito para nos tornarmos efetivamente humanos.

3 comentários:

Christian disse...

parabens pela matéria ;)
bem este eh um assunto bem complexo... vou esperar pelos futuros tópicos que vc citou :)

Qelimath disse...

Excelente matéria.
A Disney não precisa criar a mulher 'liquidificador' (glamorizando a pornografia e prostituição) porque modelos como este abundam. As duas que você mencionou ainda não chegam aos pés da prostituta do Pelé, ou a do Airton Senna ou do Mick Jagger, que provaram que o modelo realmente funciona - as outras vão chegando no encalço. Trepar com o sujeito certo traz dinheiro, fama e até um reconhecimento público de seus 'talentos'.
As mulheres deveriam se tocar e não dar mais ibope para este tipo de comportamento, e parar de dançar tolamente ao som de insultos populares como as músicas que as apontam como "piriguetes" e "cachorras". Enquanto houver isto, este modelo vai sendo solidificado, eternizado.
Mas é aquilo que sempre digo: respeito é algo que nasce dentro da pessoa antes que as outras aprendam a respeitá-la...

Lorine Pimenta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.