quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Um herege na bruxaria gourmet

Eu fui ao Mystic Fair, levando comigo minha esposa. No ano anterior eu fui sozinho e peguei fila. Desta vez a entrada foi mais tranquila. Entre o ano passado e este, a única mudança fica por conta da posição e quantidade dos expositores.
Na falta de alternativa ou concorrência, palmas para a Prieto Produções e vaias para a Comunidade Pagã Brasileira. Para quem se presta a frequentar ou expor a feira, vale a pergunta: por que não existe alternativa e concorrência?
A página da UWB e o Jornal do Bruxo morreram. Na falta de pessoas mais sérias, nós somos representados por figuras que parecem egressas de algum jogo de RPG ou de um Cosplay.
Essa é a impressão que fica quando se visita a Mystic Fair.
Enquanto pagãos no mundo discutem sobre “apropriação cultural”, o Brasil é um território favorável e propício para o vigarista, o estelionatário e o farsante. A Mystic Fair é o Polishop da espiritualidade alternativa. Um espaço onde se encontram diversos produtos e serviços. Todo está acessível, consumível, descartável. Um espaço marcado pelo esoterismo de conveniência. Esqueça qualquer sentido de espiritualidade, o que vale é o Deus Mercado. E Viva o esoterismo prêt-à-porter.
Bons tempos quando a Bruxaria era uma prática familiar e secreta, era temida, era respeitada. Entre bruxos tradicionais a Wicca é considerada uma bruxaria com alvejante. Com a chegada das religiões da Deusa e o dianismo, aconteceu a popularização da Wicca, que jogou mais cândida no caldeirão. O que temos hoje é a Bruxaria Gourmet.
Aqui o conceito de Bruxaria se refere a crenças e práticas que visa a obtenção de um efeito mediante a utilização de diversas ferramentas.
Nós estamos vendo uma verdadeira onda de gourmetização, mas que diabos é isso?
Gourmet é um ideal cultural associado com a arte culinária da boa comida e bebida, de haute cuisine (alta cozinha). Assim um vinho ou um restaurante diz-se gourmet quando este é de alta qualidade e está reservado a paladares mais avançados e a experiências gastronômicas mais elaboradas. Por consequência os produtos e ou refeições gourmet são normalmente mais caras que os seus equivalentes não gourmet.
Este termo poderá ser encarado por alguns como uma conotação negativa, pois poderá estar associado a elitismo ou snobismo, porém a sua utilização geral e mais comum não possui esta conotação. [Wikipédia]
O termo gourmet era usado com cuidado, para definir a arte da boa comida e bebida. Designava os verdadeiros conhecedores e apreciadores de vinho e da gastronomia, que prezavam pela qualidade e autenticidade do que degustavam.
Hoje tudo é gourmet. Até o brigadeiro (leite condensado + chocolate em pó + granulado), hoje é gourmet. Castanhas, frutas secas, paçocas… tudo isso é adicionado para que o simples brigadeiro se torne uma iguaria gastronômica. [Luiz Felipe Ennes]
Na era da “gourmetização”, um produto não carece de ingredientes sofisticados ou exóticos ou mesmo de origem e preparo ímpares. Com um toque mágico, o rótulo converte-se em poderoso adicional simbólico: escreve-se gourmet (ou premium, vip, top, chic, premier, prime e por aí vai, os termos, estrangeiros, abundam) e cobra-se o dobro. Assim engabela-se o crescente exército de incautos consumidores entregues ao modismo da vez. Da “onda da pizza gourmet”, como anunciou um jornal, à “febre das cervejas premium”, como decretou outro, o Brasil se vê em meio a uma confusa revolução conceitual, estampada em embalagens insidiosas e propalada pelo boca a boca nouveau riche. [William Vieira]
Tal como a indústria de imóveis tornou popular o “espaço gourmet”, onde o proprietário, por uma módica quantia, pode usufruir de uma churrasqueira em sua varanda, a Mystic Fair é o espaço da Bruxaria Gourmet. Nada mais normal e natural, para o consumidor ávido, cosmopolita e espiritualizado, do que ter um espaço onde ele tem acesso a tudo que ele quer para sua ascensão espiritual. Nada mais normal e natural, para tantos vendilhões do templo, do que expor seu esoterismo de conveniência para um público cada vez mais crescente.
Por favor, caro dileto e eventual leitor, não pense que este escritor condena o dinheiro, a riqueza ou a propriedade, afinal, para o Paganismo, tudo que é mundano é sagrado, é divino. Minha queixa é que o esoterismo de conveniência esvazia todo o conteúdo e conceito sagrado que um objeto possa ter.
Eu vou dar um exemplo bem frugal: cerveja. Eu tomei várias cervejas importadas e algumas até valem o preço que eu paguei. Mas o preço da cerveja do Mestre das Poções não está nos seus ingredientes, mas na fase da lua em que a cevada foi colhida. Quem acredita em astrologia e nas fases da lua vão querer me bater, mas a lua é a mesma, suas “energias” são as mesmas, independentemente de sua “fase” ou localização no manto de Nix.
Imagine então quando pensarmos em produtos menos frugais e mais específicos. Para quem conhece e sabe, a Mystic Fair oferece a oportunidade de adquirir um produto que normalmente só se conseguiria importado. Mas como a feira é aberta a todo o público, a noção que fica é que não há problema algum em misturar objetos do candomblé com objetos do budismo. Como se pode ter alguma ascensão espiritual se toda espiritualidade é vivenciada de forma tão supérflua, mercantilizada, comercializada, objetificada? Parece impossível, mas não se preocupem, não irão faltar “boas pessoas” que irão te orientar como “se usa” e não faltam palestras e workshops que irão “te ensinar” essa espiritualidade de conveniência.
Nessas horas que eu dou graças aos Deuses por ser herege, por ser bruxo, por ser apenas mais um pagão ordinário.

Nenhum comentário: