quarta-feira, 20 de julho de 2011

Os rituais da Deusa

Trecho de um texto interessante, escrito por Star Foster, divulgado no Pantheon:
Eu tenho encontrado grande consolação na Carga da Deusa. Como pagã eu não tenho "escrituras" mas a Carga é o que há de mais próximo de uma autoridade escrita externa. O tipo de "Divina Promessa" ou segurança espiritual.
"Que a adoração a Ela esteja no coração que regozija; pois vede, todos os atos de amor e prazer são Seus rituais."[sacred texts]
Nota deste pagão/tradutor. No mesmo site, há outra passagem da Carga da Deusa: "Que minha adoração esteja no coração daquele que regozija, pois vede: todos os atos de amor e prazer são meus rituais e então que haja beleza e força, poder e compaixão, honra e humildade, júbilo e reverência em vós."[sacred texts]
Todos os atos de amor. Todos atos de amor. Não há uma condicional. Sem preferências pelo amor heterossexual, amor platônico, afeto familiar. Sem limites quanto a profundidade ou extensão ou intensidade. Todos os atos de amor. O único pré-requisito é ação.
Agindo por amor, manifestando amor e comunicando amor são todos formas de honrar a Deusa da Wicca/Bruxaria. Quando eu abraço um amigo, este é um ritual em sua honra. Quando eu defendo o direito de outra pessoa de amar, este é um ritual em sua honra. Quando eu seguro a porta aberta para um idoso ou deficiente, este é um ritual em sua honra. O amor da beleza, da honra, da justiça, do chocolate e dos girassóis são todos rituais que honram a Deusa.
Eu acho que isto é a chave a se lembrar enquanto continuamos a lutar pelos direitos. Nós faezmos isto por amor e nosso amor é um ritual, uma oferenda e uma benção. Por que a Deusa assim diz. Embora outros possam tentar colocar a moral por cima, falharão porque lhes falta amor. Allah, Jesus, Yahweh, Buddha e todos os grandes sábios nos ensinaram a amar. Pagãos não são diferentes, exceto que nos recusamos a definir qual amor é aceitável. Amor que não causa dano é uma benção. É um ritual.
Como wiccana, este é o fundamento de minha religião. Onde vive o amor eu adoro. Eu conecto com tudo que é divino. É o amor que nutre minha vontade e aquece minha minha magia. Onde não há amor, há aridez e eu me recuso caminhar no seco, árido, locais mortos de ódio, crueldade e desonra. Eu sou humana, eu cometerei erros, mas não há cotas em nosso amor. Amar é agir, agir por amor é honrar meus Deuses e honrar meus Deuses é procurar por justiça, honra e liberdade. Encontrar o balanço e a harmonia na vida.
E outro texto, de Jarred Harris, no One's Pagan Heart, que o oráculo virtual [google] indicou, coloca algumas "condições":
Para realmente entender [a Carga da Deusa - NT], nós temos que olhar esta declaração em seu contexto. "Todos os atos de amor e prazer são meus rituais" não é a citação inteira. Esta é uma cláusula em uma sentença tirada da "Carga da Deusa", um pedaço da liturgia wiccana geralmente atribuída a Doreen Valiente.
Notem que a sentença que segue depois da frase bem conhecida começa "E então que haja..." Esta frase deixa claro que esta sentença é uma continuação da mesma linha de pensamento do que o início de um novo assunto. Essencialmente, indica que as virtudes listadas na nova sentença são diretamente relacionadas com a sentença anterior. Com efeito, a carga está listando características que são essenciais para "atos de amor e prazer."
Esta é a maior falha em umitos argumentos onde a clausula "todos os atos de amor e prazer" é usada para justificar comportamentos duvidosos. Aqueles que propõem este argumento estão tentando definir "atos de amor e prazer" por suas próprias definições superficiais, utilitaristas e egoístas. O problema é que o resto da carga não permite isto, porque claramente diz que para que seja um "ato de amor e prazer", um dado ato ou comportamento deve possuir e sustentar estas virtudes. Na verdade, qualquer ato que não demonstra estas virtudes não podem por definição ser um "ato de amor e prazer." Então olhemos para cada uma dessas virtudes e suas implicações.
A primeira virtude é beleza. Significa que cada ato - e seus resultados ou consequências - devem ser algo belo de se ver. Durante e após o ato, todas as pessoas envolvidas ou afetadas por ele devem ser capazes de olhar e ter satisfação e ver beleza nele.
A virtude seguinte é força. Todos os atos devem vir de e sustentar uma posição de força. A pessoa que faz um "ato de amor e prazer" como uma forma de acobertar sua fraqueza - ou pior, enfraquecer outros - afastou-se do amor e deturpou o prazer em algo que não deveria. Neste sentido, força é contrário à necessidade. Um verdadeiro ato de amor e prazer não é feito sem necessidade, mas de uma posição de mútuo desejo.
Poder, a virtude seguinte, está relacionada à força. Neste sentido, eu diria que "poder" aqui é a escolha. Um verdadeiro "ato de amor e prazer" envolve escolha e uma pessoa que executa tal ato por seu livre-arbítrio, ao invés de coerção ou compulsão. Neste sentido, atos envolvendo mais de uma pessoa são sobre igualdade e escolha mútua. Uma pessoa que manipula emocionalmente outra em tal ato não é melhor do que a pessoa que faz o mesmo por força física.
A virtude seguinte, compaixão, é sobre mitigar o próprio poder quando lida com outro. Isto é sobre tomar as necessidades, desejos, direitos e bem-estar de outros em conta. Atos onde alguém se preocupa apenas com sua própria força, escolha, apreciação da beleza e outra virtude ainda falha em ser verdadeiro a respeito de "amor e prazer."
A virtude seguinte, honra, é igualmente importante. Por experiência própria eu aprendi que se nós não mantivermos nossa integridade intacta, então nos tornamos nada. Por causa disto, está bem claro para mim que sem integridade em nossos relacionamentos, eles se tornarão nada. Uma pessoa que não mantém seu caráter não pode amar, então como ele pode cometer um ato de amor?
Humildade, como compaixão, é sobre outra pessoa. Onde há compaixão nos lembramos em pensar na outra pessoa, humildade vai um passo além e nos lembrar que é sobre o ato em si. Um verdadeiro ato de amor e prazer é sobre um laço entre duas almas. A menos que queiremos tomar nosso devido lugar ao invés de permitir aos nossos egos arrotarem, não há amor dividido em sentido algum.
É estranho pensar em júbilo como sendo importante aspecto do amor e prazer, não obstante é importante. Júbilo é sobre ser capaz de acender nosso coração e aproveitar o amor que dividimos. Talvez se nós como sociedade aprendessemos o valor do júbilo em todos os aspectos de nossos relacionamentos, não haveriam tantas histórias sobre "ansiedade de performance" e problemas estressantes similares.
A virtude final, reverência, novamente nos leva para fora de nós. É sobre respeitar o outro e o ato em si mesmo. É uma compreensão de que se nós iremos declarar isto verdadeiramente um "ato de amor e prazer", que é realmente sagrado. Reverência nos ensina que coisas sagradas devem ser tratadas como algo especial.
Agora que olhamos para as virtudes listadas - às quais devem absolutamente existir, senão um ato falhará em ser verdadeiramente sobre amor e prazer - é tempo de olhar para o começo da primeira sentença. Antes de declarar que todos os atos de amor e prazer serem os rituais da Deusa, a carga primeiro chama pelo louvor da Deusa  estar "no coração de quem regozija." Isto é igualmente significante. Imediatamente seguindo esta cláusula e como uma guia para as cláusulas bem conhecidas, vem a frase conectiva "pois vede." Isto nos diz que um coração que regozija é também significativo para que todos os atos de amor e prazer. Em verdade, para os corações que regozijam estão o resultado final e efeito direto de um real "ato de amor e prazer." Assim sendo, aquele que realmente deseja avaliar se seus "atos de amor e prazer" devem não apenas serem considerados quão bem refletem, possuem e suportam as virtudes discutidas, mas tabém deve considerar o estado resultante nos corações daqueles envolvidos.
Neste blog há diversos outros textos e tópicos sobre o assunto. E mesmo assim estamos longe de compreender e praticar absolutamente esta doutrina aparentemente tão simples.

2 comentários:

Nôra Shannon disse...

Excelente interpretação.
Parabéns pela sua visão.
Que a Deusa continue te iluminando e transbordando sua mente com a Sabedoria Dela.
Abençoada seja!

roberto quintas disse...

Na verdade eu traduzi dois excelentes artigos. E isto foi feito mais porque há muita desinformação pela internet sobre a religião Wicca, sobre seus princípios, valores e núcleo.
Desnecessário reiterar que eu tenho uma visão tradicionalista, onde a Wicca é uma religião de mistérios, iniciática, que requer treinamento formal, passagem da tradição oral, adoração a uma Deusa e um Deus, celebrações lunares e solares, sagrado feminino e masculino, execução do GR carnalmente, etc.