domingo, 1 de julho de 2012

Vidência pela cerveja

LA PAZ - P. Rosa, uma comerciante indiana Aymara de idade média em La Paz, despeja o ovo em um copo cheio de cerveja à espera que um adivinho andino interprete as formas fantasiosas que surgem a partir da mistura, o que está escrito o destino que se avizinha.
De blusa branca elegante, saia preta e um cobertor colorido, Rosa usa um broche dourado colorido no peito, brincos de ouro e um chapéu borsalino, mostrando a importância desta data com seu destino.
"Eu quero saber a minha sorte", diz ela, num sussurro que adivinhar essas mulheres mestiças de Aymara, que possui um negócio de tecido em uma área de comércio popular no oeste da cidade.
O 'yatiri "(adivinho e curador), em seguida, começa o ritual, que acontece em uma rua de San Pedro, no centro de La Paz, o ex-bairro de índio" da Colônia, autorizadas em cada ano, neste momento, esta prática antiga.
Rosa escrupulosamente esfrega as mãos com álcool para purificar e passa o ovo em seu peito para que a clara, que é derramado sobre um copo de cerveja, "expresse corretamente os desejos do seu coração", disse o xamã, também um Aymara com um quarto de século na profissão.
Todos os anos, como muitos outros, Rosa vem para o feriado que se refere aos pais da Igreja Católica, São Pedro e Sãp Paulo.
A leitura de sorte neste momento corresponde a uma prática antiga nos Andes e faz parte do período de "renovação" que se abre após o solstício de inverno no hemisfério sul, 21 de junho, marcando o início de um novo ano, que para o Aymara é um momento oportuno para olhar no futuro.
O destino dos negócios, estudos, trabalho, saúde, relacionamentos amorosos ou apenas sobre o futuro em geral, são os mais freqüentemente recebida por videntes Andina diz Wilmer 'yatiri' Zegarra.
O xamã derrama álcool no chão para os quatro pontos cardeais, chamando suavemente para o 'achachilas' (divindades andinas), as montanhas de proteção e até mesmo alguns santos católicos, a expressão do sincretismo.
Olhe para o copo através da luz, interprete as múltiplas formas emergentes a partir da mistura de ovo e cerveja e em voz baixa, apenas para o cliente ouvir, absolve as suas consultas sobre o futuro do seu negócio.
Pelo sorriso que esboça, Rosa parece estar satisfeita com a mensagem recebida e bebe o copo de cerveja para "que seu destino não seja de outra pessoa", o que aconteceria se o líquido espumante fosse derramado no chão.
Na calçada, sentado em estreitos assentos de madeira, consultas de uma dúzia de adivinhos que servem os visitantes ocasionais, a maioria delas de origem indiana, embora haja de classe média mestiços.
Eles formam uma linha para ser servido pela cartomante que inspira mais confiança neles. Alguns são mantidos em suas crenças, outros apenas curiosos.
Kevin Cuellar, 19 anos, estudante de idade na Escola Militar de Aviação, veio, acompanhado por sua mãe, para indagar quanto ao seu futuro militar. "Eu vou bem na escola", diz satisfeito. Veronica Rojas, 20, ele reconhece que ele consultou apenas "curioso".
Os adivinhos andinos, vestindo ponchos, chapéus e agitando enferrujados sinos coloridos, usados ​​vários métodos para ler o futuro: cerveja com claras de ovos, chumbo derretido, álcool, cigarros e folhas de coca. Eles também alegam que ser capaz de decifrar as cartas.
Além disso, outros depósitos de clientes em uma tigela de água fria uma colher de sopa de chumbo derretido ao calor. Quando você toca o líquido, o metal tem diversas figuras, que o adivinhador decifra pacientemente. Superfícies lisas, depressões, picos, cada uma das formas contem uma mensagem em código que só os especialistas conseguem decifrar.
No mundo andino, os adivinhos são pessoas predestinadas para uma determinada característica física ou alguma experiência estranha. Zegarra diz que ele foi atingido por um raio, e Mario Ramos, outro adivinho, diz que ele nasceu em pé. Em ambos a sua prática vem da tradição da família.
"Temos de acreditar, a fim de cumprir o que foi dito", avisa o vidente Ramos.
Fonte: AFP/Google

Nenhum comentário: