segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

O culto da Vaca Sagrada

No vernáculo moderno, ao se referir a algo ou alguém como uma vaca sagrada ou santa, está se afirmando que aquilo a que se refere tem uma autoridade incontestável, assume as características de um deus monista.  Geralmente este termo é usado para uma pessoa em uma posição considerada intocável ou uma organização que torna o homem comum incapaz se ele quiser protestar. Confrontados diante das vacas sagradas nós descobrimos que em seu campo de autoridade cresce a paranóia, medo, brutalidade, tanto por parte da vaca propriamente dita tanto quanto fora. É uma simetria em cena aqui que leva a jogos de segredos, espionagens e vazamento de informação de dentro da vaca sagrada e de fora sentimentos de opressão e teorias de conspiração que dão à vaca sagrada ainda mais da ilusão de poder que frequentemente tem.
A vaca sagrada pode ser sobre as pessoas em posições de poder, sobre organizações consideradas poderosas - mas as vacas sagradas também pode tocar o reino do Self e do Ego. A afirmação mais freqüente das vacas sagradas dentro da fortaleza do ego é quando definimos nossa incapacidade ou nossos vícios, referindo-se à partes da imagem investidas com uma enorme importância. Por exemplo, 'por causa de minha educação', 'por causa da violência que sofri', 'por que eu fui mal interpretado', 'porque a minha condição bipolar ... ', 'por que o meu signo diz ...' Há um  fatalismo em ação aqui em nossa fortaleza do ego que guardamos muito bem. Na verdade é mais importante para o organismo humano ser consistente do que  ser bom. Nós estamos constantemente à procura da afirmação do auto-conceito que estamos mantendo. Qualquer tentativa de desafiar isto será recebido com resistência, consciente ou não. Eis porque às vezes é tão difícil convencer uma boa pessoa cair vítima de padrões negativos, sobre a bondade interna, predominante e esquecida. A explicação para o auto-conceito negativo se transformou em uma vaca sagrada.
A origem da vaca sagrada é encontrada em culturas de todo o mundo, desde Moloch e os deuses touro do Egito para a vaca promordial Audhumla na Escandinávia, mas o termo como é usado diáriamente vem do hinduísmo, que considera o gado como sagrado e visto como um símbolo do benefício e harmonia mútuos entre o homem e o gado. Agora, a mentalidade em torno do sagrado em culturas tradicionais é bastante diferente do que aconteceu com o uso do termo vaca sagrada no mundo desencantado ocidental, onde ele foi investido com uma aura negativa.
Às vezes nós queremos cutucar a vaca sagrada, mas o medo nos impede de cutucar e questionar. Se nós questionamos a vaca sagrada, seja feito em sigilo ou por delírios loucos vagando sob os raios do luar da conspiração. É que a corrente energética da vaca sagrada que jogou o laço em torno de nós e sob a influência destes raios negativos que nós nos tornamos espelhos da raiva vil.
Mas há uma maneira melhor, que é analisar a vaca calmamente - porque, sagrada ou não, uma vaca ainda é uma vaca e é aqui ao afirmar o fato que nossa análise, talvez, deveria começar. Ao compreender isso, podemos tratar a vaca de uma forma mais harmoniosa e nós vamos tentar entender o que faz a vaca  sagrada. Se nós acalmarmos a nossa alma, nós vamos permitir que a curiosidade da mente façam julgamentos e fluam opiniões sobre a vaca. Nosso conhecimento sobre a vaca vai aumentar e amadurecer enquanto nosso horizonte de compreensão cresce - porque o conhecimento é a maior arma contra o medo e a ignorância.
Vacas sagradas estão por toda parte também no mundo do ocultismo contemporâneo, onde alguma ordem, alguma personagem, ou algum livro, exige ser tratado como uma vaca sagrada - ou 'como se fosse um evangelho'. E isso vai nos dois sentidos, tanto para os que recebem o evangelho - e os que dão o evangelho. É uma referência negativa atuando fora aqui em uma "repetição Deluzian' [Gilles Deleuze - Diferença e Repetição, critica o conhecimento via representação mental e a ciência derivada desta forma clássica lógica e representativa {wikipedia}- NB]A forma como estamos gerando vacas sagradas segue um modelo semelhante a afirmar que uma determinada árvore na floresta é mais poderosa e importante do que as outras árvores. Isso quer dizer que a sua árvore de adoração é a única árvore, enquanto o resto são arbustos  e ervas daninhas menos importantes. Certamente temos árvores mais nobres, mais reais, mais venenosas e assim por diante - mas, neste reconhecimento deveria também ser permitido fazer julgamentos de natureza pessoal - o que muitas vezes é uma referência ao gosto ou à harmonia filosófica - e também questionar a natureza da árvore como qualquer exegese de um evangelho é permitido fazer. Se um fruto é amargo e ruim, deve ser permitido investigar o solo e o clima para fazer uma inferência sobre uma possível causa. Deve ser permitido a não gostar de algumas frutas e sentir-se indiferente com algumas árvores no mundo. Se começarmos a ficar obcecado com o porquê que uma árvore insiste em ser o rei de árvores - ou ser a única árvore - nós estamos jogando nossas moedas de prata na forca de mil noites negativas. Não vale a pena.
Somos únicos em nossa Constituição - e podemos em todas as estações da trilha escolher as explicações que queremos - mas eu sinto que é importante sempre questionar, sempre ser curioso, não porque buscamos condenar ou quebrar o assunto por nossa curiosidade - mas para compreender. Afinal de contas, a filosofia, a arte de pensar e refletir, começou com o questionamento que é a verdade - e esta deve ser a lanterna dos peregrinos em todos os momentos desta jornada sem fim no caminho da verdade.
A verdade não é uma vaca sagrada, não é um evangelho, não é um homem ou uma mulher de poder ou de presença - é este silêncio que acende o fogo em seu coração e faz você seguir em frente com um sorriso  em seus lábios - um passo significativo mais perto da fonte.

Fonte: Starry Cave

Nenhum comentário: