segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Desfragmentando o ser humano

Recentemente surgiu a polêmica por causa de uma lei para combater a homofobia, principalmente devido às reações vindas dos setores mais reacionários do Cristianismo.
Para estes setores, qualquer coisa que se refira aos prazeres carnais e aos desejos humanos é visto com um misto de nojo, repulsa e medo. Na concepção destas pessoas, o homossexual é uma ameaça à sociedade, à família e aos valores cristãos. Para os mais paranóicos, a luta pelos direitos e pela tolerância a diferentes opções sexuais é parte de uma grande conspiração mundial para a dominação de Satan.
Tendo isso como referência, fica fácil entender porque tem tanto pastor atacando essa lei, como se esta fosse um ataque ao direito de liberdade de expressão, opinião e crença. Chega até a justificar inúmeros blogs com ataques e criticas, não somente à lei, mas por extensão aos homossexuais.
Dentro dos aspectos legais e jurídicos, eu acho que os direitos são para todos e o uso de um direito remete a um dever, uma responsabilidade. De forma alguma se pode evocar um direito para se justificar um crime.
Como a minha proposta neste blog é de escrever sobre Paganismo e Wica, não sobre Política, eu irei analisar essa estranha mania que nossa sociedade demonstra ao fragmentar uma pessoa.
Cada indivíduo se torna um número, uma fração, um dado estatístico, cuja avaliação qualitativa é uma função matemática.
Isso dá margem a interpretações e comportamentos estranhos. Por exemplo, ao dizer que o Brasil é um país Católico, isso é fácil de perceber socialmente, mas a Igreja Católica usa a estatística como recurso para reforçar que o Catolicismo é maioria e, portanto, é melhor.
Se em termos mundiais e sociais tal argumento soa um absurdo, a posição de considerar os homossexuais uma ‘minoria social’ também é. Os homossexuais não são uma minoria, mas são tratados como tal.
Ao invés de julgar uma pessoa por uma pequena parte de sua característica, por que não a avaliamos por inteiro? Por que não buscamos primeiro as qualidades do que os defeitos? Por que não procuramos perceber e consertar nosso próprios defeitos? Como podemos falar sobre e adorar um Deus de amor e ao mesmo tempo promover tanto ódio? Como podemos falar nos valores da sociedade se alijamos algumas pessoas do grupo social por causa de uma característica dela? Como podemos clamar pela liberdade de expressão, opinião e crença se negamos tais direitos a estas pessoas? Como podem querer que as pessoas se aproximem dos Deuses se as segregamos do convívio comunitário?
Enquanto está em pauta o cabimento de uma lei especifica contra a homofobia, socialmente isso pode não resultar em efeito algum, se não acabar o preconceito e isso só poderá se tornar realidade se houver fim na intolerância, no fundamentalismo, no fanatismo religioso.
Como essas questões mexem com o credo e o dogma de alguns cristãos, isso é algo que eles terão de resolver.
Como pagão, eu luto pela reintegração do ser humano como um indivíduo pleno. Através do Paganismo e da Wica, a humanidade pode ser desfragmentada.

Nenhum comentário: